Água, sol, modernidade e inovação reflectem nova imagem da Vulcano

23 03 2010

A Vulcano apresentou tem um site reformulado, uma mudança que surge no seguimento da reestruturação gráfica da marca. «Com um visual moderno e mais funcionalidades, o website Vulcano pretende reforçar os valores da marca de pioneirismo, vanguarda, confiança e nacionalidade», caracteriza a marca.

Mais dinâmico e interactivo, o novo layout gráfico privilegia as cores Vulcano (azul e vermelho) ao mesmo tempo que «aposta na força das imagens, características do novo código de comunicação da marca». As alusões à água, ao sol, à modernidade e inovação reflectem os conceitos-chave da nova identidade da marca portuguesa.

Os interessados poderão, assim, ter acesso às novidades da marca e a informação sobre os produtos e soluções. O website mantém ainda uma área reservada para profissionais, onde os parceiros poderão aceder a conteúdos exclusivos e em primeira-mão e uma área dedicada aos media, para divulgação de lançamentos e novos projectos.

Para Gioconda Magalhães, directora de marketing da Vulcano, este novo site «é uma das principais fontes de informação dos nossos clientes e parceiros profissionais, constituindo uma plataforma de contacto privilegiada com estes. Nesse sentido, tornava-se imperativo renovar a imagem em conformidade com o novo código de valores da nova identidade visual da marca».





INESC Porto e Martifer levam energia fotovoltaica até Cabo Verde

18 03 2010

A Unidade de Sistemas de Energia (USE) do INESC Porto está a desenvolver estudos para a Martifer Renewabbles para avaliar o impacto da integração de produção de electricidade, com origem em recursos eólicos e solar fotovoltaicos, para várias ilhas de Cabo Verde.

Em concreto a USE está a avaliar a melhor forma de instalar pólos de armazenamento de energia nos sistemas insulares e de novas infra-estruturas de rede (linhas e capacidade de transformação), com o objectivo de «maximizar a integração das fontes de energia renovável».

O projecto envolve ainda a especificação da arquitectura e das funcionalidades de um sistema de SCADA/EMS «para definir a estratégia de operação diária que permita maximizar a integração de produção de electricidade a partir de fontes renováveis, sem com isso comprometer a segurança de exploração destes sistemas eléctricos», explica a USE.

A equipa da Unidade de Sistemas de Energia do INESC Porto participante neste projecto é constituída por Luís Seca, Helena Vasconcelos e Carlos Moreira.





Avião solar com tecnologia Altran descola em 2011

25 01 2010

A Altran, filial portuguesa do Grupo Altran Technologies, líder europeu em consultoria de inovação tecnológica é o parceiro oficial do Solar Impulse, um projecto que visa dar volta ao mundo num avião movido a energia solar. Este projecto foi lançado por Bertrand Piccard, que se tornou conhecido por ter realizado uma aventura semelhante, em balão e sem escalas, em 1999.

«O Solar Impulse é um emblema do desenvolvimento sustentável e é com muito orgulho que a Altran se associa a esta iniciativa», afirma Célia Reis, directora geral da Altran Portugal, que acredita ainda que é «possível conjugar desenvolvimento, eficiência energética e um melhor ambiente», estando por isso «confiante no sucesso do projecto».

Com grande experiência na gestão de projectos e de riscos em sectores como aeronáutica, energias renováveis e desenvolvimento sustentável, a Altran «trabalha activamente» no projecto Solar Impulse, com o objectivo de «demonstrar o papel da alta tecnologia no desenvolvimento sustentável».

Para o sistema de energia no avião, a Altran desenvolveu um conjunto de sensores solares sobre as asas e motores que activam as hélices do avião permitindo desta forma que o sistema de gestão de energia continue em funcionamento apenas com a luz solar.

Este projecto está a ser desenvolvido pela Escola Politécnica Federal de Lausanne e pela Agencia Espacial Europeia e tem descolagem prevista para Maio de 2011, para uma volta ao mundo com uma rota próxima de linha do Equador.





Grupo Duarte vira-se para o Sol

12 01 2010

O Grupo Duarte investiu 500 mil euros na aquisição da totalidade empresa Touch the Sun, onde já tinha uma participação de 50 por cento. O objectivo é entrar no mercado da «exploração e comercialização de um sistema de climatização centralizada e aquecimento da água através de energia solar que garanta a eficiência energética em todos os edifícios».

Fonte do Grupo Duarte sublinha que a tecnologia da Touch the Sun tem um software 100 por cento português que permite fazer a monitorização e gestão on-line das temperaturas pretendidas no interior de cada fracção. Os painéis solares de «alto rendimento» instalados no topo dos edifícios permitem ainda «controlar a temperatura do ambiente e da água».

Paralelamente, a Touch the Sun possibilita «acumular a energia solar térmica excedente» e dar-lhe outras utilizações, com o «aquecimento de eventuais piscinas existentes no edifício».

«Acreditamos na viabilidade e no futuro desta tecnologia, principalmente numa época como a actual, em que a sustentabilidade ambiental e a redução da factura energética são preocupações procurados por quem procura casa», afirma João Duarte, CEO da empresa. Neste projecto vão participar cerca de vinte pessoas, na sua maioria colaboradores do Grupo Duarte.





Grupo DST quer ligar centrais fotovoltaicas à rede

16 12 2009

O Grupo DST apresentou dois pedidos de informação prévia para ligar duas centrais de produção de electricidade a partir de tecnologia solar fotovoltaica e termoeléctrica de concentração à Rede Eléctrica de Serviço Público (RESP). Segundo a empresa, isto representa um investimento na ordem dos 25 milhões de euros. Caso a iniciativa avance, «as duas unidades vão estar instaladas em Évora e Silves e terão uma capacidade total de 5,5MW», confirma a DST.

Além da venda de energia à rede, os projectos apresentados pela empresa contemplam também a aposta na investigação e no desenvolvimento da produção de energia solar: «Estamos perante um novo desafio para o desenvolvimento de novas tecnologias neste campo, o que volta a colocar Portugal no pelotão da frente da agenda da sustentabilidade», sublinhou José Teixeira, presidente do Grupo DST.

De acordo com a empresa, o processo de monitorização será «essencial» para «apreender questões pertinentes» e «demonstrar a maturidade e a viabilidade dos projectos» As duas iniciativas vão, assim, «exigir uma análise de desempenho detalhada durante a fase de projecto e uma monitorização constante durante a fase de operacionalização».

Com a ligação destas duas centrais à rede, o objectivo passa por «captar investimento público e privado, com vista a tornar a indústria solar portuguesa competitiva e exportadora», confirma José Teixeira, que acrescenta ainda que estes projectos «vão servir para estabelecer parcerias com centros de investigação de universidades portuguesas». O próximo passo será entrar na «fase industrial a prototipagem da investigação do solar fotovoltaico».

Além do Grupo DST, este projecto conta ainda com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e a Escola de Engenharia da Universidade do Minho, a nível nacional, e com a Heliodynamics, Waste2Value, Ecos Sustainable Improvement e Dordtech, a nível internacional.





Coeptum distribui inversores SolarMax

6 11 2009

solarmax

A partir de Dezembro, esta empresa com sede em Cascais (Lisboa) vai passar a ser responsável pela comercialização, em Portugal, dos inversores solares SolarMax. Segundo dados avançados pela empresa, estes equipamentos têm algumas vantagens em relação aos de outras marcas concorrentes: transformador electrónico de perdas reduzidas, admissão de campos solares até 5KWp e o preço competitivo

Além destes trunfos, a Coeptum destaca também o facto de estes inversores terem tecnologia suíça e de possibilitarem «muitas configurações para o campo solar».

Cada inversor de strings SolarMax S tem certificação TÜV-Bauart e GS, além de incluir uma garantia de cinco anos para todos os modelos: 2000S, 3000S, 4200S e 6000S. A instalação dos SolarMax é «facilitada pelas calhas de montagem», sendo que todas as ligações são encaixáveis por fora. Os inversores integram também um seccionador DC, em conformidade com DIN VDE 0100-712.

Confira aqui as características técnicas dos inversores SolarMax.