União Europeia apoia investigação para injectar energia eólica na rede

20 05 2010

A União Europeia lançou o projecto Twenties, cujo objectivo é fazer avançar «significativamente o desenvolvimento, teste e implementação de novas tecnologias que permitem aumentar a produção de energia eólica no sistema eléctrico europeu», explica o INESC Porto em comunicado.

Esta entidade nacional vai, em colaboração directa com o operador da rede de transporte francês, RTE, desenvolver «conceitos inovadores» relativamente à operação de redes off-shore multi-terminal em corrente contínua (HVDC – High Voltage Direct Current) que facilitarão a integração desses parques eólicos na rede on-shore.

Reunindo 26 parceiros (operadores de sistemas de transporte , empresas de electricidade, institutos) de dez Estados-Membros diferentes, o projecto Twenties tem uma duração prevista de três anos e um orçamento total de 60 milhões de euros, 32 milhões dos quais serão financiados pela União Europeia.

Este torna-se, assim, o projecto «mais ambicioso apresentado à DG-ENER da Comissão Europeia», no âmbito do Programa-Quadro para a Investigação, Desenvolvimento e Demonstração. Segundo o INESC, isto vai contribuir de uma «forma definitiva» para o objectivo que a UE pretende atingir até 2020 relativamente a recursos energéticos: reduzir em 20% as emissões de CO2, melhorar em 20% a eficiência energética, garantir que 20% de consumo de energia seja proveniente de fontes renováveis.

A Red Eléctrica de España é o líder do consórcio desta iniciativa que junta 26 empresas e institutos de referência mundial no sector eléctrico. O objectivo do grupo é «identificar e demonstrar soluções que contribuam para permitir um maior aumento da incorporação de energia eólica (on-shore e off-shore) nos sistemas eléctricos, que hoje está fortemente limitada por questões relacionadas com aspectos de gestão técnica do sistema».

Em Espanha, será a Iberdrola Renovables a tomar as rédeas deste desenvolvimento, com uma demonstração com mais de duzentas turbinas eólicas com uma potência total de 500MW que vão ajudar a «suportar a operação da rede, aumentando a sua segurança», mediante a demonstração de conceitos relacionados com fornecimento de serviços de sistemas como sejam o controlo de potência reactiva/tensão e o controlo de frequência.

Estas acções serão coordenadas em conjunto pelas salas de controlo da Iberdrola (CORE) e da Red Eléctrica de España (CECRE), pioneiras nesta área em todo o mundo.

Também alinhada com o objectivo de verificar a contribuição deste tipo de geração intermitente no sistema, a empresa de serviços públicos dinamarquesa DONG Energy irá demonstrar como a combinação de estratégias de gestão da procura num ambiente de elevada penetração de energia eólica e no âmbito de um quadro regulador favorável contribuirá para o aumento da segurança e da eficiência do sistema eléctrico.

Os trabalhos com os quais se pretende atingir uma maior flexibilidade nas redes de transmissão de energia eléctrica serão levados a cabo por dois operadores da rede de transporte de electricidade: o operador belga, ELIA, através de sensores e aparelhos de controlo que permitem evitar possíveis instabilidades à larga escala, induzidas pelos parques eólicos instalados numa determinada região; e o operador espanhol, Red Eléctrica de España, com a aplicação de parâmetros de operação alternativos que melhoram a segurança, e novos aparelhos de controlo de fluxos de energia que optimizam a capacidade da rede no sentido de permitir integrar a maior quantidade possível de produção de energia eólica.

As dificuldades associadas à integração de grandes parques eólicos offshore serão abordadas do ponto de vista da segurança. O operador francês, RTE, irá demonstrar, em larga escala, as componentes críticas de protecção e controlo necessárias para desenvolver as redes HVDC enquanto que o operador dinamarquês, Energinet.dk, irá verificar se através de uma coordenação adequada entre parques eólicos offshore e geração hidroeléctrica, localizados neste caso na Noruega, é possível fazer o balanço das perdas de capacidade de produção off-shore que poderão advir de fenómenos meteorológicos extremos, mantendo a segurança do sistema.

Os resultados experimentais irão avaliar, a um nível europeu, o impacto potencial de aplicação progressiva das soluções testadas, identificadas como sendo necessárias para a rede de transmissão do sistema eléctrico europeu no horizonte de 2020, conjugadas com os objectivos do Plano Estratégico Europeu para as Tecnologias Energéticas.

Entidades participantes no Projecto Twenties
• Red Eléctrica de España S.A.U. (Espanha)
• RTE EDF Transport S.A. (França)
• Risø DTU (Dinamarca)
• Tennet TSO B.V. (Holanda)
• SINTEF Energy Research A/S (Noruega)
• 50Hertz Transmission (Alemanha)
• ABB Asea Brown Boveri, S.A. (Espanha)
• ENEA-Ricerca sul Sist. Elettrico (Itália)
• Katholieke Universiteit Leuven (Bélgica)
• Dong Energy Power A/S (Dinamarca)
• Elia System Operator S.A. (Bélgica)
• Electricité de France, S.A. (França)
• Univers. Pontificia de Comillas (Espanha)
• Gamesa Innovation & Techn.(Espanha)
• EWEA, European Wind Ass. (Bélgica)
• INESC PORTO (Portugal)
• University of Strathclyde (Reino Unido)
• Université Libre de Bruxelles (Bélgica)
• Iberdrola Renovables S.A. (Espanha)
• ENERGINET.dk (Dinamarca)
• Areva T&D (Reino Unido)
• Fraunhofer IWES (Alemanha)
• SIEMENS Wind Power A/S (Alemanha)
• CORESO SA (Bélgica)
• University College Dublin (Irlanda)
• University Liege (Bélgica)

Anúncios




Vestas e EDP Renováveis assinam contrato de 1500MW

27 04 2010

A EDP Renováveis e a Vestas Wind Systems (Dinamarca) assinaram hoje um contrato global para o fornecimento de aerogeradores relativos a um máximo de 2,1GW de capacidade eólica.

O que está em causa é um contrato de fornecimento em larga escala de turbinas eólicas, com uma encomenda inicial de 1500MW para fornecimento, instalação e comissionamento em 2011 e 2012. Para o mesmo período de tempo, existe ainda uma opção de encomenda de capacidade adicional até 600MW.

Entre as duas empresas está ainda acordada a flexibilidade de entrega de turbinas na América do Norte, América do Sul e Europa, bem como a «flexibilidade na escolha, para cada projecto, de modelos e classes de turbinas eólicas comercialmente disponíveis, sob aviso prévio».

O contrato prevê ainda um serviço de operação e manutenção durante dois anos, prolongável a cinco ou dez anos, com acordo de assistência técnica subsequente (dependendo do projecto em questão).

Segundo a EDP, «a Vestas destacou-se entre os principais fabricantes de turbinas eólicas, como o concorrente com a oferta de maior valor global, tendo em conta o pipeline de curto prazo da EDPR, assim como as perspectivas de flexibilidade no crescimento e os objectivos estratégicos da empresa».

Através deste contrato, a eléctrica nacional encomenda à Vestas a tecnologia eólica que permite «optimizar os factores de produtividade do seu pipeline e o custo global do activo», possibilitando à EDPR obter uma «vantagem competitiva na indústria de produção de energia eólica».

Este acordo representa ainda o maior contrato para o fornecimento de turbinas anunciado a nível mundial nos últimos dois anos. «A escala e a diversificação geográfica de ambas as empresas permitiram a celebração de um contracto que oferece à EDPR visibilidade na execução dos seus objectivos de crescimento, melhorando ao mesmo tempo a gestão de risco da empresa no que respeita aos diferentes cenários de mercado, regulação e ritmos de crescimento».

A EDPR considera que o sucesso na combinação entre as opções de curto-prazo do seu pipeline, com a flexibilidade na posição de compra de turbinas pós-2010 e o efeito de escala na indústria, foram «factores-chave» para alcançar um acordo de «elevada importância estratégica».

Com mais de quarenta mil turbinas instaladas em 65 países, a Vestas tem quatro fábricas em Espanha e garante que instala uma turbina a cada três horas e que a potência que tem activa chega aos 60 milhões de MW/h por ano.





Arte em turbinas eólicas

18 11 2009

A Agência Cascais Energia promove, até ao dia 22 de Novembro, no CascaiShopping, uma exposição de turbinas eólicas pintadas por alunos de escolas do concelho de Cascais.

Estas “obras de arte” foram criadas por alunos de escolas do 1º ciclo e do Ensino Pré-escolar, no âmbito do concurso ‘Pinta a tua turbina’, lançado em Maio deste ano pela Cascais Energia, e cujo objectivo foi «sensibilizar as crianças para a importância das energias renováveis e das alterações climáticas».

Os temas usados são alusivos à temática das energias renováveis, em especial, a energia eólica.