Já foram recolhidas 100 milhões de pilhas usadas

11 05 2010

A Ecopilhas – Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores recolheu vinte milhões de unidades de pilhas e baterias usadas em 2009, dos quais quatro milhões foram recolhidos em Dezembro no âmbito do 1.º Peditório Nacional de Pilhas e Baterias Usadas.

Este peditório «reverteu a favor do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, cujo apoio foi materializado na aquisição de uma máquina de rastreio de cancro oftalmológico», refere a Ecopilhas.

A marca atingida em 2009 conclui cinco anos de actividade onde foram recolhidas 100 milhões de pilhas e baterias e permite atingir 21 por cento da taxa de recolha (a taxa exigida pela União Europeia é de 25 por cento até 2012).

Eurico Cordeiro, director-geral da Ecopilhas, mostrou-se agradado com este marco: «É com grande satisfação que verificamos que a recolha de pilhas e baterias portáteis tem vindo a crescer anualmente. Este incremento reflecte o empenho dos cidadãos na preservação do meio-ambiente, no qual as campanhas de sensibilização têm desempenhado um importante papel».

O mesmo promete ainda que a empresa «vai continuar a apostar num fluxo especializado e específico como é o caso da recolha e tratamento de pilhas e baterias portáteis usadas».





Ecopilhas alarga âmbito de actuação

10 03 2010

A Ecopilhas, que gere desde 2004 um sistema de recolha de pilhas e baterias portáteis, estendeu a sua licença às pilhas e baterias industriais.

Esta nova competência da empresa é um reforço do seu «contributo na resposta às necessidades operacionais de um sector específico», no qual, considera a Ecopilhas, «há muito trabalho a desenvolver em matéria de separação de resíduos e na preservação do meio ambiente».

Eurico Cordeiro, director-geral da Ecopilhas, lembra que a empresa tem «actuado segundo critérios transparentes e claros» para «atingir os objectivos propostos». Entre estes está a gestão do fluxo de pilhas e baterias portáteis, com recolha e respectivo encaminhamento para reciclagem.

Os mesmos princípios farão, assegura Eurico Cordeiro, «igualmente parte da nova área de actuação da Ecopilhas», ou seja, na gestão e recolha de pilhas e baterias industriais.