Uma empresa austríaca com liderança sueca e sotaque português

30 04 2010

Esta é a história da Copa-Data, uma firma que tem um software de automação para pequenas unidades industriais e que chegou a Portugal pelas mãos do sueco Ulf Bexell a partir de… um anúncio de jornal.

Ulf Bexell tinha uma vida pacata em Portugal. Alto, louro e de olhos azuis, cumpre os critérios básicos da tipologia sueca que conhecemos, mas não resistiu aos encantos da mulher portuguesa. «Como costumo dizer, tudo pelas mulheres».

E assim foi. Durante os últimos anos, Ulf tem vivido em Portugal, tem dois filhos e, há cerca de um ano viu um anúncio de jornal mudar-lhe a vida, quando era responsável para os mercados africano, ibérico, latino-americano e russo de uma empresa sueca que fabricava equipamentos para fazer CD e DVD: «Um dia vi um anúncio sobre as aplicações da Copa-Data e entrei em contacto com Thomas Punzenberger. Escrevi-lhe uma carta a dizer que, se estivesse disposto a dialogar, eu estaria disponível para abrir uma delegação da Copa-Data em Portugal», conta o simpático sueco que dirige actualmente os destinos desta empresa austríaca em Portugal.

E tudo aconteceu em tempo record: «O primeiro contacto foi em Fevereiro de 2009 e a empresa foi aberta no dia 1 de Julho, já depois de ter passado por um processo de formação técnica na Áustria».

Portugal em vez de Espanha
Curioso é o facto de a casa-mãe austríaca ter decidido abrir a delegação em Portugal para assumir o controlo do mercado ibérico e não, como seria mais natural, em Espanha. Ulf Bexell confirma que foi «muito difícil» convencer Thomas Punzenberger, mas explica como conseguiu levar a sua ideia para a frente: «Portugal tem mão-de-obra muito qualificada e que domina vários idiomas.

Aqui não há problemas em encontrar pessoas como a Joana Martins [assistente de marketing da Copa-Data], que domina português, espanhol e inglês. Já em Espanha é mais complicado: é muito difícil encontrar um engenheiro espanhol que também fale inglês e português».

Actualmente, a empresa apenas é constituída pelo director e pela assistente de marketing, mas até Junho de 2010 vão entrar dois técnicos qualificados para os quadros da empresa. Para complementar o escritório português, Ulf Bexell revela que a Copa-Data está já também à procura de comerciais em Espanha.

Antes de ter representação própria em Portugal, a Copa-Data vendia o seu software Zenon (SCADA/HDMI) através da Bresimar Automação, uma empresa com sede em Aveiro e liderada por Carlos Breda. Em Espanha a Copa-Data estava representada pela Pertegaz. «Estávamos muito contentes com o desempenho destas duas empresas. Simplesmente queríamos mais, talvez mais que aquilo que estas duas empresas achavam possível. Então decidimos dar um passo em frente para aumentar bastante as vendas em Portugal e em Espanha», explica Ulf Bexell.

Mas esta parceria não deve ficar por aqui. O director quer que a empresa aveirense continue «amiga e parceira» da Copa-Data e que haja entre-ajuda entre as duas: «Se eu quiser implementar um projecto numa indústria, vou precisar de uma empresa para me ajudar e talvez a Bresimar seja a minha única e primeira escolha. Esperamos que a Bresimar tenha a mesma ideia. Temos falado com eles e trocamos impressões técnicas. Se eles souberem de um projecto onde nós possamos entrar, também esperamos que nos ajudem».

Zenon é «simples e flexível»
Com 150 empregados em todo o mundo (a Copa-Data tem representações desde os EUA à China), Ulf Bexell assume que a empresa que disponibiliza software para controlo de processos é «bastante pequena».

A maioria dos funcionários tem cursos de engenharia, o sócio fundador da empresa e actual director é engenheiro e Ulf também tem canudo nesta área engenheiro. «Investimos muito no desenvolvimento dos nossos produtos. A tecnologia é o nosso lema», reforça o director.

Apenas com a solução Zenon no portfólio, a empresa coloca de lado a venda de maquinaria e hardware, para se concentrar apenas no desenvolvimento deste programa informático. Este é um produto SCADA, que «não se destina ao utilizador final», uma vez que «tem de ser configurado primeiro».

Assim, os públicos-alvo do Zenon são os integradores de sistemas e as empresas de engenharia, que «têm de construir uma solução completa para o utilizador final tirar partido do nosso software». Contudo, algumas fábricas têm departamentos de engenharia que podem receber directamente o Zenon para programação: «São casos raros, mas acontecem. Por exemplo, há uma fábrica de bebidas na Alemanha nossa cliente que tem alguns técnicos capazes de fazer isto. Esta empresa ficou muito interessada no nosso software e usa-o para medir o Overall Equipment Efficiency». Aqui, o Zenon da Copa-Data funciona como «sistema central», ao qual estão ligadas «todas as máquinas da fábrica, para verificar a sua eficiência».

Apesar de Ulf Bexell garantir que o Zenon é «muito fácil de usar e aplicar», as funcionalidades são muito extensas: «O processo de aprender e descobrir as maneiras de utilizar o nosso software também é bastante vasto. Uma pessoa que o utiliza há dois meses pode fazê-lo muito bem, mas uma pessoa que o usa há doze meses, provavelmente domina-o melhor. Temos software simples de usar e que consegue responder muito bem em ambientes industriais mais complicados. Tem uma grande adaptação».

Presença na AutoEuropa
Em Portugal, uma das «principais concorrentes» da Copa-Data é a Siemens. Esta empresa de origem alemã (com sede em Alfragide, Lisboa) tem o software WinCC que se destina às mesmas aplicações que o Zenon.

Contudo, existem algumas diferenças: «Entre os pacotes padrão de SCADA, somos os únicos com o protocolo de comunicação IEC 61850, que é específico deste sector. Sem este protocolo não podemos entrar no mercado. Por exemplo, comparando com o WinCC, só agora é que estão a implementar este protocolo na solução deles». Mas, segundo Ulf Bexell o 61850 é «muito mais que um protocolo de comunicação».

Para poder aproveitar este recurso, explica o director, o software também tem de se adaptar ao protocolo: «O Zenon inclui funções que tanto fazem parte do sistema SCADA, como do protocolo IEC, que não existem no WinCC».

Além da venda do software, a Copa-Data também disponibiliza serviços de assistência técnica e consultoria: «Não podemos vender o Zenon e esquecer o cliente, assim não funciona». Assim, quando os clientes fizerem a implementação do software e surgirem questões técnicas, a Copa-Data está disponível para «responder a todas as dúvidas».

Contudo, e enquanto não chegam os dois técnicos anunciados por Ulf Bexell, as perguntas têm de ser encaminhadas para a sede da empresa na Áustria.
E uma das empresas que pode recorrer a estes serviços de assistência é a AutoEuropa, a fábrica da Volkswagen em território nacional que produz os modelos EOS, Scirocco (VW), Sharan (VW) e Alhambra (Seat).

Esta unidade industrial usa o Zenon como padrão e especifica que «os seus fornecedores têm de usar» esta solução. A fábrica tem duas linhas com o software da Copa-Data: a que monta as partes superior e inferior do chassis, instalada na Primavera de 2009, e o sistema de enchimento de líquidos no carro, que foi implementada no Verão passado.

Meta para 2010: cashflow positivo
Ulf Bexell viu um bom mercado em Portugal para a aplicação as soluções da Copa-Data. Este foi mais um dos argumentos para convencer Thomas Punzenberger a abrir uma delegação própria no País. O director considera que as linhas de produção das indústrias nacionais «estão muito bem preparadas» e «bem abertas a novas soluções de automação».

Embora, confirme que Portugal está a atravessar «um período difícil», nem mesmo o período de crise que já levou ao encerramento de algumas indústrias (casos a Delphi, Lear ou Marcopolo) “assusta” Ulf Bexell: «Portugal foi menos afectado pela crise que Espanha, mas estamos a notar uma actividade baixa nos dois mercados. Mas o sector industrial não vai abandonar Portugal».

O ano de 2010 vai ser o primeiro ano completo de operação da Copa-Data por cá, mas nem isto serviu para que a sede austríaca colocasse objectivos mais “leves” à empresa. Sem falar em números, Ulf Bexel deixa transparecer que Thomas Punzenberger foi exigente com os resultados financeiros para 2010.

Contudo, para o director, e tendo em conta que esta delegação da empresa é «autofinanciada» e que não tem «apoios monetários da Áustria», a principal meta é ter um «cashflow positivo». E depois, como vai ser o comportamento da Copa-Data em Portugal/Espanha? «Dentro de quatro ou cinco anos queremos ter uma facturação de quatro ou cinco milhões de euros». Um milhão por ano, fazendo a média. Portugal e Espanha que se prepararem.


Ações

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: